Tuesday, 12 October 2010

Eat Pray Love

Finalmente acabei de ler. Tinha comprado o livro o ano passado, comecei a ler e parei nas primeiras paginas. Nao me cativou.

Desta vez forcei a leitura e nao desisti. Eventualmente o facto de o ler em Ingles pode influenciar mas creio que em Portugues tambem nao seria livro para ler em tres tempos. Embirro com este tipo de livro... por varios motivos que ficam para mim...

Mas ate' gostei, embora nao com aquele entusiasmo que vejo noutras pessoas. Algumas passagens marcaram-me e marquei-as no livro nao sei ainda com que fim, mas marquei-as. Creio que a maioria das pessoas (eu diria mulheres) se reve no livro pela procura de equilibrio que a autora relata e quem nao procura esse equilibrio? Pelo alimento e pelo amor, va' e pela oracao tambem. Acho que a maioria dos mortais se fica pelo alimento e pelo amor, mas sou so' eu a pensar tendo em conta a minha realidade.

Ha' umas semanas atras no programa da manha da BBC a autora do livro foi entrevistada a proposito do filme que ia estrear e ela dizia e muito bem que as pessoas nao precisam de ir viajar pelo mundo para se encontrarem. E sejamos realistas, quem e' que pode faze-lo por um ano? Alem de nao ser algo muito fazivel por questoes praticas tipo emprego e dinheiro, quem e' capaz de largar tudo e ir por ai fora 'a procura de algo que nem visivel e'? Pois e ela nao largou tudo tudo, ela teve esta fantastica oportunidade de viajar durante um ano porque teve garantido o contrato para escrever estre livro... Mas a senhora la' foi e la' encontrou o seu equilibrio e aprendeu a conhecer-se a si propria (ja' o outro amiguinho dizia long time ago Conhece-te a ti proprio...)

Tambem fui ver o filme. Sim nao fiquei profundamente impressionada pelo livro mas tinha curiosidade em ver a adaptacao para o cinema. Fui no primeiro fim de semana de estreia e sai de la' cheia de fominha e onde fomos? A um italiano muito catita para os lados de Battersea pois entao :P

Gostei da parte de Italia, ri-me e encantei-me com as imagens. As imagens sao lindas, nao so de Italia, mas da India e do Bali. Mas lamento achar que para tanto sururu podia ter saido algo melhor. Nao me arrebatou o filme.

Agora o que eu nao gostei nada, mas mesmo nada foi do Javier Bardem (creio que e' o nome do senhor que por sinal e' bem jeitoso e tal e tal). Aquela tentativa frustrada de dizer uma palavrinhas em Portugues do Brasil com um Espanhol 'a mistura nao me convenceram. Tal como o par, Julia e Javier, nao me convenceu na tela.

Em sintese, o livro e' bom (para o genero) e vou querer ler em Portugues. O filme nao achei nada de extraoordinario e e' longo como tudo.



4 comments:

Marshmallow said...

Breaking, grande confusão de post, mulher! :)
Sempre ouvi dizer que gostos não se discutem... mas...a meu ver (eu sou mais uma que me identifiquei com a personagem), trata-se de cortar com estereotipos (e do que a sociedade espera de nós enquanto mulheres, esposas, mães) e ter a coragem de virar costas ao comodismo. De perceber que alguma coisa estava mal na vida dela e tomar uma atitude. Claro que para isso não é preciso ir dar a volta ao mundo, e que em alguns casos até não seja necessário o divórcio.

Quanto a deixar tudo para trás e partir.... não foi precisamente isso que tu, eu, e tantos outros fizeram? Mas se te referes mesmo a partir em viagem, de mochila ás costas, acho que te surpreenderias com a quantidade de pessoas que efectivamente o fazem! Talvez não tanto em Portugal(apesar de eu seguir um blogger de Coruche que o fez), mas aqui conheço várias pessoas que venderam ou alugaram as suas casas, deixaram os empregos e partiram por 4,8 ou 18 meses, alguns até com filhos atrás e foram dar a volta ao mundo!

Como ainda não vi o filme, o meu comentário baseia-se únicamente no livro. Em português claro! ;)

Breaking said...

Sim tens razao, muitas pessoas partem por meses para viajar conhecer mundo. Ela partiu (fugiu??) com uma depressao para procurar o seu equilibrio, a verdade ou aquilo que lhe queiram chamar.
Eu gostei do livro, mas nao o acho extraordinario. Ouvi/li pessoas sobre o livro como se fosse extraordinario e nao acho assim tao original quanto isso. Eu nao achei, mas como bem dizes, gostos nao se discutem.
Acho que a minha "embirracao " tambem tem a ver com o surruru que se fez e faz a volta do livro e do filme.
Mas ainda bem que ha' quem goste, se todos gostassem do amarelo que seria do azul, nao e'?

Bj

Afrika said...

Ora, ai esta um livro e um filme que nao me parece va ver, nem ler!

Marshmallow said...

Perfeitamente de acordo, Breaking! Aliás, também não acho o livro extraordinário. É um livro light!
Fui rever o meu post sobre ele e recordei que estava entre os 100 melhores desse ano... e que facilmente se percebe porque é que o "Mil Sóis Resplandescentes" estava entre os 10 primeiros!
Bjs